Notícias

Pesquisa clínica em centros menores pode beneficiar pacientes oncológicos

Notícias Terça, 30 Outubro 2018 10:38
Avalie este item
(1 Voto)

A participação dos jovens oncologistas no Programa de Capacitação em Pesquisa Clínica da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC) deve ter resultados práticos em curto prazo. Isso porque, a partir da vivência de uma semana no Centro de Pesquisa Clínica em Oncologia do Hospital de Caridade de Ijuí (RS) – Oncosite, eles ficaram ainda mais motivados como agentes decisivos para a criação de centros de pesquisa clínica em suas cidades.

O Dr. Cláudio Rocha, que participou do programa em outubro, havia fundado quatro meses antes o primeiro Centro de Pesquisa Clínica em Oncologia do Piauí. “Após a experiência no Programa da SBOC, tudo que aprendi e os contatos estabelecidos, agilizamos o andamento em relação a três estudos que já estávamos pleiteando e recebemos visitas em Teresina de três laboratórios farmacêuticos para a realização de outros protocolos aqui”, conta o médico.

Existe também a expectativa de que seja criado o segundo* centro de pesquisa clínica da região Norte do Brasil. A Dra. Gilmara Resende, de Manaus (AM), também participante do Programa, diz que, realmente, o exemplo de Ijuí surpreende. “Confirma que é possível fazer pesquisa clínica com qualidade fora de um grande centro urbano e em região de acesso geográfico e logístico desfavorável; trabalhar, acreditar e buscar incansavelmente as melhorias de tratamento e acesso”, anima-se a jovem oncologista.

Embora esteja no Estado do país onde a oncologia é mais desenvolvida, a Dra. Patrícia Ratto, de São Carlos (SP), afirma que o Programa de Capacitação lhe trouxe uma grande esperança de conseguir abrir um centro de pesquisa clínica em sua cidade. “Desde que você tenha força de vontade, corra atrás, monte uma equipe capacitada e empenhada em fazer as coisas acontecerem, tudo é possível.”

O Dr. Fabio Franke, vice-presidente da SBOC para Pesquisa Clínica e Estudos Corporativos e coordenador do Centro de Pesquisa Clínica em Oncologia do Hospital de Caridade de Ijuí, tem a expectativa de que o Programa de Capacitação seja um divisor de águas. “Queremos provar que, independentemente das dificuldades e das diferenças, a pesquisa clínica pode ter uma rede nacional que venha a beneficiar a população brasileira como um todo, não só no Sudeste e no Sul, onde está concentrada a pesquisa hoje, mas em todos os Estados”, afirma.

A Dra. Gilmara e a Dra. Patrícia participaram do Programa de 13 a 17 de agosto; o Dr. Cláudio, de 1 a 5 de outubro. Outro selecionado, o Dr. Antonio Carlos Cavalcante Godoy, de Corumbá (MS), teve uma urgência de saúde e participará no próximo ano. Entre 2 e 6 de julho, tinha sido a vez dos residentes Dra. Hyrlana Leal Barbosa Passos, do Hospital Português, em Salvador (BA), e do Dr. Marcos Dumont Bonfim Santos, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

Trabalho em equipe

A motivação da equipe de Ijuí, ressaltada pelos três oncologistas, parece ser mesmo contagiante. “Todos foram incríveis, nos receberam de braços abertos e mostraram os caminhos das pedras, literalmente, para se conseguir fazer um centro de excelência como é o deles”, resume a Dra. Patrícia. “Voltei para Teresina com a missão de fazer o centro de pesquisa acontecer. Depois de tudo o que vimos, não há justificativa para não nos mobilizarmos em todo o Brasil”, afirma o Dr. Cláudio.

Durante o Programa, ao acompanhar in loco cada etapa de todos os processos ligados à condução de um estudo clínico, os jovens oncologistas verificaram, na prática, a importância da integração, alinhamento e sincronia entre os membros da equipe. “Abriu muito a minha cabeça, pois além de entender melhor o trabalho do próprio médico no contato com os pacientes, nas decisões clínicas e nos relatórios superdetalhados, pude conhecer o papel e a importância fundamental de cada uma das outras áreas, desde o processo regulatório, assinatura de termos de consentimento, envio de materiais biológicos, exames de imagem, administração dos medicamentos; é toda uma estrutura e uma sintonia fina entre os profissionais”, relata a Dra. Patrícia Ratto.

“A ordem das coisas tem que ser muito respeitada, porque senão pode haver desvios ou alterações na pesquisa. Isso me permitiu olhar de uma forma muito mais ampla para o que é, de fato, a pesquisa clínica, e não somente a visão do clínico”, continua. “Fiquei muito impressionada com a maturidade e a competência da equipe do Centro de Pesquisa Clínica de Ijuí.”

Para a Dra. Patrícia, a iniciativa da SBOC ao criar o Programa de Capacitação permite que os participantes “desmistifiquem” a pesquisa clínica e tenham consciência do caminho a ser percorrido. “Isso é muito válido, porque você precisa ter o perfil mesmo para querer fazer pesquisa clínica e dedicar o seu tempo. Na hora que você for montar uma equipe, já sabe o perfil das pessoas que você tem que procurar, assim como as dificuldades que existem no país, os entraves burocráticos. É essencial para dosar suas expectativas.“

“São muitos obstáculos, mas precisamos primeiramente de capacitação técnica de médicos, enfermeiros, farmacêuticos e outros profissionais de saúde em pesquisa clínica. Mostrar para os gestores de saúde o quão importante é um centro de pesquisa, como agrega melhorias em toda a equipe e tentar trazer estudos clínicos para a região com o intuito de beneficiar tanto pacientes do SUS como da rede privada”, destaca a Dra. Gilmara Resende.

O Dr. Cláudio ressalta que o Programa foi extremamente prático com relação a todo o aspecto operacional da pesquisa clínica, boas práticas, passo a passo, além de a equipe de Ijuí ficar à disposição para esclarecer dúvidas que surjam ao longo do processo que cada jovem oncologista desenvolverá para criar ou ampliar centros de pesquisa em suas cidades. “Os desafios que o pessoal de Ijuí enfrentou para chegar ao patamar atual são muito similares aos que encontramos na nossa realidade, por isso a experiência é tão pertinente e motivadora”, avalia o médico.

Futuro

O Dr. Fabio Franke explica que, quanto mais próximo da sua casa o paciente tiver a oportunidade de participar de uma pesquisa para o seu tratamento, melhor. A ideia é descentralizar. O vice-presidente da SBOC imagina que, num futuro muito próximo, os centros de oncologia das grandes capitais estarão sobrecarregados de estudos. “Sendo otimista em relação à aprovação do marco regulatório da pesquisa clínica no Brasil, precisaremos de centros profissionais e estruturados também nas capitais menores e no interior”, salienta. “Teremos uma demanda de estudos no Brasil de diversas complexidades: desde os mais simples, que poderão ser feitos em centros que estiverem começando, até estudos mais complexos, que necessitarão de grandes hospitais, de uma estrutura maior e centros com mais experiência. Essa rede vai conectar os profissionais envolvidos para possibilitar a distribuição desses estudos, de forma que os centros que estejam começando também sonhem um dia também participar dos estudos mais complexos; isso servirá de motivação”, projeta.

Na opinião da Dra. Gilmara, é essencial a iniciativa da SBOC de estimular a pesquisa clínica no Brasil, principalmente fora de grandes centros, onde os únicos recursos são os disponíveis pelo SUS e não atendem e não acompanham a evolução das drogas antineoplásicas. “Louvável a atitude da Sociedade em se preocupar com a educação continuada de seus membros e, consequentemente, com a qualidade dos tratamentos oferecidos”, finaliza.

*O primeiro centro de pesquisa clínica do norte do Brasil fica em Roraima, coordenado pelo Dr. Allex Jardim, membro da SBOC.

Última modificação em Terça, 30 Outubro 2018 14:48

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Pesquisar